Breaking News

PM acusado de matar advogada é condenado a 20 anos em regime fechado


O Tribunal do Júri, na Comarca de Santo Antônio, definiu em 20 anos de reclusão, sob regime fechado, a pena de Gleyson Alex de Araújo Galvão, soldado da Polícia Militar, pronunciado pelo Ministério Público Estadual, como autor de um homicídio triplamente qualificado cometido por motivo fútil, meio cruel e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima, a advogada Vanessa Ricarda de Medeiros.
A magistrada Tatiana Socoloski foi designada para presidir o júri popular, cujo veridicto condenou o réu no crime previsto no artigo 121, parágrafo 2º, do Código Penal
O crime ocorreu em fevereiro de 2013 dentro de um motel e o PM foi preso no dia 14 de fevereiro de 2013, logo após o crime, Santo Antônio e o acusado permaneceu detido no 4º Batalhão, na Zona Norte de Natal, até o dia do Júri, realizado nessa quarta-feira, 25.
Para o julgamento, a juíza Tatiana Socoloski considerou que as circunstâncias foram em parte desfavoráveis ao acusado e que a pena em abstrato definida no artigo 121, do CP, varia de 12 a 30 anos de reclusão, e, para tanto, fixou a pena-base em 18 anos de reclusão, por considerá-la necessária e suficiente à reprovação e prevenção do crime praticado.
“Agravo em 1 ano a pena por ter o réu se utilizado de meio cruel para cometer o crime e em mais 1 ano por ter sido o crime cometido contra mulher, inclusive prevalecendo-se das relações domésticas”, destacou a juíza, ao ressaltar que os agravantes estão previstos no artigo 61 do Código Penal.
Ação Penal de Competência do Júri nº 0100121-57.2013.8.20.0128.
Crime
Vanessa Ricarda, 37 anos, foi morta na madrugada de 14 de fevereiro de 2013 na cidade de Santo Antônio. Ela foi espancada até a morte por Gleyson Galvão dentro do Motel Cactus. De acordo com relato da acusação, o PM se irritou quando a advogada se recusou a fazer sexo com ele na frente de uma outra pessoa. O acusado foi encontrado na área comum do motel, apresentando sinais de embriaguez e manchas de sangue pelo corpo.
Originalmente, Gleyson deveria ter sido julgado em novembro de 2016. O Ministério Público, na ocasião, solicitou uma nova avaliação psiquiátrica do réu, acatado pelo juiz Rafael Barros Tomaz do Nascimento, em julho de 2017. O teste, todavia, jamais foi feito, porque a defesa do policial afirmou que ele havia “surtado” na época de sua aplicação. Ele foi internado com urgência no Hospital Psiquiátrica Dr. João Machado, na capital potiguar.
Em abril deste ano, o Hospital Naval de Natal realizou um laudo de insanidade mental em Gleyson, concluindo que ele estava em plena ordem de suas capacidades mentais quando cometeu o crime. Ele se encontra detido sob autoridade de um mandado de prisão preventiva desde 2013. Atualmente, ele se encontra no 4º Batalhão, na zona Norte de Natal. Apesar do mandado de prisão, Gleyson foi flagrado recentemente tomando banho de piscina em um condomínio na zona Oeste.



AGORA RN

Nenhum comentário