Breaking News

Único helicóptero da polícia do RN está parado desde agosto por dívida


O único helicóptero da Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesed) está fora de operação desde agosto deste ano devido a uma dívida do governo do Rio Grande do Norte referente a serviços de manutenção. A assessoria de comunicação da Sesed informou que a aeronave Potiguar I foi levada a Fortaleza para a instalação de um imageador aéreo. O aparelho de alta tecnologia é destinado à Copa do Mundo de 2014 e possui capacidade de operação diurna e noturna, sensor infravermelho e sistemas de mapas digitais integrados.

De responsabilidade do governo federal, a instalação do imageador aéreo teve a data reprogramada pois o helicóptero necessitava de uma nova manutenção. De acordo com a Sesed, durante o processo foram identificadas duas dívidas referentes a manutenções anteriores em aberto. O débito do governo estadual soma R$ 260 mil, segundo a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social.

Ainda segundo a Sesed, já houve uma reunião com entre o secretário de Segurança Pública, Aldair da Rocha, e o secretário de Planejamento e Finanças, Francisco Obery Rodrigues, para tratar da quitação das dívidas. Com a indefinição sobre a liberação dos recursos para pagar as manutenções, o helicóptero segue parado em Fortaleza. A instalação do imageador aéreo também não tem data definida pelo governo federal.

Histórico

Helicóptero Potiguar 1 foi usado no resgate de acidentada no RN (Foto: Jorge Talmon/Inter TV Cabugi)
Helicóptero Potiguar 1 em resgate a vítima de
acidente de moto (Foto: Jorge Talmon)
O helicóptero da Secretaria de Segurança ficou marcado por um acidente ocorrido em 1º de maio de 2003. A aeronave, à época chamada de Falcão 1, foi adquirida no dia 27 de dezembro de 2002 por meio de um convênio entre o Estado e a União. O helicóptero caiu no campo de futebol do Comando da Polícia Militar e levou três anos para ser recolocado em operação. Após o conserto em 2006, a aeronave foi rebatizado como Potiguar 01. Desde então, o helicóptero faz manutenções em Fortaleza a cada 100 horas voadas.


Fonte: G1/RN