Breaking News

Comércio da Capital deve oferecer mais de mil vagas no final do ano

ComércioCom o final do ano se aproximando, a movimentação na economia fica mais intensa com o pagamento do 13º e aumento dos gastos nas compras e no consumo. De acordo com levantamento da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) de João Pessoa, as vendas devem crescer 7% nos últimos três meses do ano, com relação ao mesmo período de 2012.
Além disso, a CDL também adianta que as contratações temporárias podem chegar a mil no comércio de João Pessoa. Entre as áreas mais procuradas, estão as que se concentram na parte de atendimento e vendas.
As vagas temporárias respondem por 40% das que são abertas ao longo do ano e 1 em cada 8 profissionais ganham contrato efetivo, depois do período de Natal e Reveillón.
Esse otimismo também é previsto em todo o Brasil. O volume de vendas do comércio varejista brasileiro deverá crescer aproximadamente 4,5% no Natal deste ano. A projeção é da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Apesar da expectativa de alta, o aumento do faturamento será menor do que os 8,1% apurados no mesmo período do ano passado. As vagas temporárias voltadas para o período natalino devem avançar 1,8% com a geração de 122,9 mil empregos temporários.
Dos principais ramos do varejo, o vestuário é usualmente o mais impactado pela demanda sazonal de final de ano. Com previsão de abertura de 69,5 mil vagas, esse segmento deverá, novamente, se destacar respondendo por 56,5% do total de postos criados no varejo. Em seguida, devem vir os segmentos de hiper e supermercados com 27,7 mil postos (ou 22,5% do total), e de móveis e eletrodomésticos com 12,0 mil empregos (ou 9,8% do total).
As vendas nas farmácias e perfumarias, ramo que vem se sobressaindo no comércio varejista em 2013, deverão registrar o maior aumento de contratação de temporários (+5,3% sobre o Natal de 2012). Por outro lado, o segmento de informática e comunicação e o ramo de artigos de uso pessoal, ambos afetados pela recente desvalorização do Real e pela menor ampliação do crédito ao consumidor, deverão registrar, respectivamente, quedas de 0,1% e 1,1% na geração de emprego temporário.
A temporada de contratações temporárias, que no varejo se inicia em setembro e se estende até o mês de novembro, normalmente, responde por 40% das vagas abertas ao longo do ano em média. A expectativa é de que um em cada oito trabalhadores contratados em regime temporário seja definitivamente absorvido ao contingente de empregados do varejo após as vendas de final de ano.



Fonte: G1/RN

Nenhum comentário